Resenha Na Ilha

Livro Na Ilha
Autora Tracey Garvis Graves
Páginas: 288
Editora Intrínseca
Avaliação: 5/5
Adicione no skoob
Adquira já o seu exemplar: Amazon, Saraiva, Submarino


“Uma ilha deserta e ensolarada, com vegetação luxuriante e banhada por um mar cristalino pode ser o cenário de um sonho. Ou de um pesadelo...”
  
 " Na ilha" é o primeiro romance escrito por Tracey Garvis Graves, cuja conclusão fazia parte de uma grande lista de coisas a fazer antes de morrer da autora. Os primeiros passos de Tracey como escritora não foram fáceis, e ela acabou optando por divulgar seu livro através da autopublicação. A história foi tão bem aceita pelos leitores, que hoje em dia, já foi traduzida para diversas línguas e seus direitos de filmagem foram comprados pela MGM.

 
  O livro tem a sua narrativa intercalada entre os pontos de vistas de Anna e T.J. Anna Emerson é uma professora de inglês de 30 anos que está tendo problemas com o seu namorado. Desgastada por um relacionamento que não anda para frente, ela aceita viajar para uma ilha nas Maldivas para dar aulas particulares nas férias de verão para um adolescente.
 
  T.J. Callahan é um jovem de 16 anos que acaba de voltar de uma luta contra o câncer e tudo o que menos quer é ficar isolado em uma ila tendo que repor as aulas que perdeu por conta do tratamento que fez. Ele só quer ficar em Chicago e voltar a sua vida de antes com o seu amigo, Ben. Mas, seus pais insistem para que ele vá.

  A família de T.J. embarca antes deles pois, Anna teve que esperar as aulas do colégio em que trabalha acabarem e T.J. aproveita-se disso para ficar mais um final de semana e ir a uma festinha com o seu amigo. Então, eles acabam indo juntos.  As coisas começam a dar errado quando o piloto do hidroavião em que estavam embarcados sofre um ataque cardíaco. O avião acaba caindo nas águas cheias de tubarões das Maldivas. E, por um milagre, eles conseguem chegar a uma das mais de 1.200 ilhas existentes por ali. 
 
  Anna e T.J. são obrigados a tentarem de tudo para sobreviver, o que não é nem um pouco fácil em um lugar onde não há água limpa, nem ninguém para ajudá-los. Vivendo em uma luta diária, eles vivem cada dia como se fosse o último. Sobrevivendo a base de água da chuva, fruta pão e peixe, os dias vão se tornando semanas, depois meses, e então anos. As esperanças de que alguém os encontre vai se esvaindo a cada dia. 
                                                                                                             
“Se ela tivesse ficado doente, a única coisa que eu poderia ter feito era vê-la sofrer. Enterrá-la perto de Mike quando ela morresse. Eu não saberia se eu conseguiria seguir em frente sem ela. O som da sua voz, seu sorriso, ela – essas eram as coisas que tornavam a ilha suportável.” 
                                                                                      
  Com o tempo, os personagens acabam se aproximando, o que já seria de se esperar em uma ilha desabitada onde a única pessoa na qual se tem para interagir seja a outra. Vemos o quanto T.J. amadurece e aos poucos vai se tornando não mais um menino, mas um homem.

  O relacionamento dos dois não acontece de uma hora para a outra, nós vamos acompanhando a atração que um sente pelo outro a cada dia ficando mais forte e o fato de terem 13 anos de diferença de idade tendo cada vez mais, menos importância. 
                                                                                      
“Quando ele me beijou, não parei para pensar antes de retribuir. Éramos dois adultos agindo de comum acordo. No entanto, por mais que eu repetisse isso na minha cabeça, sabia que, se um dia saíssemos da ilha e as pessoas descobrissem o que havíamos feito, haveria consequências pelas minhas ações.”
                                                        
  “Na ilha” me lembra bastante de um filme que gosto muito, “A Lagoa Azul”,  e confesso que foi por isso que comprei o livro, RS. A escrita da autora é muito fluida e faz com que você leia bem rápido. Eu consegui me envolver com a vida dos protagonistas. Eles tiveram que enfrentar muitos desafios, e tinham vezes que eu pensava “pronto, é o fim, agora acabou para eles” e ficava com o coração na mão. Na maioria das vezes, eu me sentia agoniada com o que eles estavam passando. E, a cada novo acontecimento eu me surpreendia mais. 
 
  Durante a leitura, diversas perguntas foram criadas na minha cabeça, como: “Será que eles vão conseguir sair da ilha?”, “Quanto tempo mais eles vão aguentar?”, “E se eles saíssem da ilha, o que aconteceria?”, “O que as pessoas achariam do relacionamento deles?”. E, a única coisa que posso dizer é que todas elas são respondidas no decorrer do livro. E aí, ficou curioso para saber uma dessas respostas? Leia “Na ilha” e também mergulhe nessa história marcada pelas dificuldades e por um amor um tanto quanto proibido. 


“– Mas eu não me encaixo no seu mundo.
– Nem eu – disse ele com a expressão terna, mas decidida. – Então, vamos construir o nosso.”

11 comentários:

  1. Já conhecia esse livro, porém não sabia qual era a estória que se passava nele, e achei uma pena não ter me interessado antes por essa leitura, pois achei a premissa muito bacana, apesar de não gostar de romances onde a mocinha e mais velha, a trama e totalmente diferente dos clichês que vemos por ai, por isso com certeza já vou adicionar o livro na lista de desejados. Parabéns pela primeira resenha, gostei bastante.

    ResponderExcluir
  2. O livro parece ser muito bom,e parece com a lagoa azul também,a capa está perfeita,Parabéns pela resenha,livro já adicionado nos desejados.

    ResponderExcluir
  3. Bruna,li esse livro e gostei bastante não só pela premissa,mas também por ser um romance e também lembrar um pouco do filme a Lagoa Azul,confesso que fui surpreendida aos poucos a medida que a autora foi desenvolvendo ,não só o curso dos acontecimentos como o relacionamento entre os protagonistas,a forma como foi construído.Realmente não fica nenhuma ponta solta e toda a história é finalizada de uma forma que gostei bastante,nada em aberto.Gostaria de deixar as minhas impressões sobre essa sua primeira resenha e só posso dizer que você está de parabéns,amei!!!Mil beijinhos!!!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvi falar desse livro, mas parece ser muito bom haha, amei a capa, que capa linda *--*
    Pelo menos uma vez na vida já desejamos ir para uma ilha deserta né? A questão é aguentar ficar lá kkk
    Bjs

    www.jayhanadenardi.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. ai... cês acreditam q eu tenho este livro já faz um tempinho e estava procrastinando a leitura dele?! é bem legal a premissa toda e eu gostei demais do ponto de vista da resenha , parabéns !

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Já ouvir falar muito bem deste livro, e de tanto ouvir falar acabei o comprando, mas ainda não tive tempo de ler lo, pois eu sigo uma lista.
    Espero podet tirar lo da esrante e ler lo logo .
    Parabéns pela resenha!
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. (Capa linda + História maravilhosa = Vou ali comprar e já volto!)
    Ai eu fico aqui me perguntando depois de ler essa resenha: "como é que eu ainda não conhecia esse livro?"
    Já anotei grifei e coloquei estrelinhas na lista pra lembrar de procurar na montanha de livros de Hane Dantas essa "coisa linda" que é esse livro!
    (Ps: Agora que eu vi que ela tem um exemplar não vou para de perturbar enquanto ela não me emprestar kkkkk) :D

    ResponderExcluir
  9. Não curti muito a capa,porém a forma que tu escreveu me deu vontade de ler,fiquei curiosa prasaber tudo que aconteceu.

    ResponderExcluir
  10. eu ja ouvi flar desse livro, mesmo antes de lançarem no Brasil. Adoro estórias de amadurecimento e relacionamento sendo construído. Pena que é tao fininho(pra mim), maas ainda sim quero ler!

    ResponderExcluir
  11. Apesar de ter amado a capa, porque caramba, ela é incrível, não me interessei pela história.

    ResponderExcluir

® Blog Thays M. De Lima - Layout por A Design