Resenha | A Rebelde Do Deserto

Livro A Rebelde Do Deserto
A Rebelde Do Deserto #1
Autor(a) Alwyn Hamilton
Páginas 288
Editora Seguinte
Classificação 5/5
Adicione no skoob!
Adquira já o seu: SaraivaSubmarino
  
  A Rebelde Do Deserto é uma história que como o título já diz se passa em um deserto, um cenário bem diferente das típicas histórias de fantasia. Sempre tive muita curiosidade em saber mais sobre a cultura árabe, mas até então não havia tido nenhum contato com ela, no máximo nas novelas. E quando vi que esse livro tinha como plano de fundo tal cultura fiquei eufórica para lê-lo. Fora essa capa que é linda demais, né? Sério, uma das mais lindas da minha estante, sem dúvidas.

  Nossa protagonista se chama Amani Al'Hiza e é uma jovem de 16 anos que atualmente mora na casa de seu tio com suas tias, e digamos que o convívio entre eles não seja lá muito legal. Ela foi viver com seu tio após a morte de seus pais, e como já está para fazer um ano que eles faleceram, consequentemente está chegando a hora em que ela ficará disponível para se casar. 

   É normal da cultura arábica um homem ter mais de uma mulher, e por isso seu tio também está de olho nela, já que é muito bonita e possui olhos azuis claríssimos. Ele acha que como ela já mora com ele não há o por quê de ir embora, ela pode ficar e se tornar mais uma de suas mulheres. Só que isso pra Amani não passa nem perto do que ela quer para sua vida. Ela é uma jovem determinada, forte e decidida. E sonha em conseguir sair de onde vive com o tio, na Vila da Poeira, e ir para Izman, a capital, onde sua tia, irmã de sua falecida mãe, vive. 

  É então que em uma noite, indo em busca de dinheiro para conseguir fugir logo dali, Amani vai parar numa cidade chamada Tiroteio, para participar de um torneio de tiro ao alvo. Só que, para isso ela precisou ir disfarçada de menino, pois mulheres não são aceitas nesse tipo de campeonato. Lá ela ganha o apelido de Bandido de Olhos Azuis.

  Na Vila da Poeira as pessoas tiram seu sustento ou das minas de ferro ou da fabricação de armas, e por ter crescido em meio a isso, Amani aprendeu logo cedo a manusear muito bem uma arma, tendo uma mira perfeita. 

  Porém, nem tudo acontece como ela esperava. Devido a um acontecimento durante esse torneio, ela vai acabar conhecendo um forasteiro e no final da noite eles vão ter que se ajudar para saírem vivos daquele lugar. Tanto ela quanto ele saem de lá com as mãos abanando, o que é um balde de água fria nos planos de Amani.

  Todos sabem que existe uma rebelião acontecendo. Um príncipe rebelde começou com isso e cada vez mais as pessoas estão aderindo aos seus ideais e indo contra ao atual sultão. A guarda está atrás dos rebeldes e de seus simpatizantes e, ao que tudo indica, o forasteiro também é um deles. Ele está sendo acusado de traição e por isso também está sendo perseguido pelo Exército. 


“Ele tinha desaparecido no deserto para começar uma rebelião e tomar  o poder. Uma nova alvorada. Um novo deserto.”

  A fantasia desse livro é simplesmente fantástica. Trata-se de um mundo onde a magia um dia já foi muito presente, mas que, ao longo dos anos, ela acabou se esvaindo, sendo bastante lembrada pelas milhares de lendas existentes. A magia é vista como algo proibido por ali, havendo na maioria das vezes pena de morte. Por outro lado, seres místicos são caçados quando aparecem pois valem bastante dinheiro e segundo a lenda, ao serem capturados por humanos, mais precisamente mulheres, podem ser usados a seu favor. E existem seres com poderes dos mais variados tipos.

  É então que no dia seguinte um desses seres místicos aparece na Vila da Poeira causando um caos em toda a cidade. Amani vê nessa confusão uma oportunidade de fugir deste lugar e de seu destino indesejado. E é com a ajuda do tal forasteiro que ela consegue sair dali. 

  O forasteiro na verdade se chama Jin e é um personagem que te cativa logo de início. Ele é engraçado, encantador e forte. Ele conhece muito do mundo a fora e vai ajudar Amani a ir aonde quer que ela queira. Os dois acabam se envolvendo, mas não é um romance forçado, é até que bem natural, nada que faça com que ela mude toda a sua cabeça ou seus planos porque encontrou o grande amor da sua vida, nada disso. O que para mim foi um alívio. Gosto de personagens femininas fortes, e Amani, sem dúvidas, é.


“E então veio aquele sorriso. Talvez eu tivesse olhos que me traíam, mas Jin com certeza tinha o tipo de sorriso capaz de converter impérios inteiros. O tipo de sorriso que me fazia sentir que o entendia direitinho, embora não soubesse nada sobre ele. O tipo de sorriso que me fazia sentir que éramos capazes de qualquer coisa juntos.” 

  Ela cresceu com a ideia na cabeça de que sua única saída para ser feliz era ir para a capital, já que sua tia sempre mandava cartas para a mãe de Amani dizendo que estava muito feliz e que o lugar era muito bom de se viver. Porém, quando Amani enfim consegue sair de Vila da Poeira ela percebe que o mundo é bem maior do que ela imaginava, que não existe apenas a opção de ir para a capital, que existe todo um mundo para ela explorar. Ela enfim se sente livre para escolher o seu futuro, para onde ir e o que fazer.

  Eles então encaram o enorme deserto juntos e a partir daí é acontecimento atrás de acontecimento. Por ter fugido juntamente a um traidor, Amani agora também está sendo caçada pelo Exército. Eles terão que passar por poucas e boas. Em meio a guerras políticas e sentimentos conflitantes, Amani descobrirá não somente o que quer para si mas também o que ela realmente é.


“- Você é este país, Amani – ele disse, mais baixo agora. – Mais viva do que qualquer coisa deveria ser neste lugar. Toda feita de fogo e pólvora, com um dedo sempre no gatilho.”




4 comentários:

  1. Esse livro me supreendeu muito do começo ao fim. Foi uma leitura maravilhosa, eu não parei de ler até chega ao final. Quero muito ler o seu segundo eu estou ansiosa. FOI uma das melhores leituras desse ano. Também foi minha primeira experiência com esse tipo de história que me faz amar.

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna,
    Quero muito ler este livro, pois a autora propõe uma fantasia focada na cultura árabe com um cenário e personagens bem diferentes dos que estou acostumada a ler. Pelo que entendi da história, o livro não trará só elementos fantásticos, mas sim, uma combinação de ficção e realidade. A protagonista passará por situações que toda mulher poderia passar em algum momento da vida, independente de sua nacionalidade ou cultura. E tenho que parabenizar a editora, pois esta edição está linda!!

    ResponderExcluir
  3. Não sei se compraria, mas como nunca li nada de fantasia, seria algo pra eu começar a entrar nesse mundo.

    ResponderExcluir

® Blog Thays M. De Lima - Layout por A Design